quarta-feira, 14 de maio de 2008

Maria Cavaco Silva recebe hoje em Belém 18 mães de filhos diferentes

A primeira dama, Maria Cavaco Silva, recebe hoje, no Palácio de Belém, um grupo de "mães de filhos diferentes" para, com a sua a ajuda, "dar voz e fazer chegar" esses rostos a todos.

O encontro reunirá 18 mães oriundas do continente e das regiões autónomas dos Açores e Madeira, cujos filhos - entre os 4 e os 39 anos - sofrem de 15 doenças com vários níveis de incapacitação.

As doenças em causa são o Autismo, Trissomia 21, Paralisia Cerebral, Opacidade Visual, Ataxia de Friedrich, Síndrome de Cornélia de Lange, Síndrome de West, Síndrome de Rett, Síndrome de Angelman, Doença de Charcot-Marie-Tooth, Microcefalia, Hidrocefalia, Síndrome Fetal, Epilepsia e Deficiência Mental Grave.

"Quero que todos sintam que estes cidadãos têm muitas necessidades a que ainda não fomos capazes de dar resposta", afirma Maria Cavaco Silva numa mensagem vídeo na página electrónica da Presidência.

A primeira dama afirma querer que "nada os impeça de estar connosco, nas nossas ruas, nas salas de espectáculo, nos restaurantes, e nos museus".
Maria Cavaco Silva recorda que Maio é o mês do Dia da Mãe e que, por isso, quer celebrá-lo "com estas mães que têm que ser o rosto e a voz dos seus filhos".
"Quero que nunca se sintam abandonados ou desamparados, mesmo quando os seus pais partirem antes deles", declara, sublinhando tratar-se da sua homenagem às mães e pais que "não desistem, que não se resignam".
Maria Cavaco Silva diz que "devemos muito" a essas mães porque através da sua luta e amor, conseguiram que o País avançasse muito, nos últimos anos, em relação às necessidades especiais destes cidadãos.
SRS.

Lusa/fim

1 comentário:

Marcelina Souschek disse...

Atitude louvável, mais que não seja por dar a esta questão um pouco de mediatismo!

No entanto, pergunto-me como é que 18 mães de crianças deficientes podem, em cerca de 2 horas, abordar uma problemática tão complexa e variada. Digo isto, porque estavam na reunião mães de filhos com as mais diversas deficiencias.
Não podemos misturar alhos com bugalhos, a problemática de uma criança jovem que pode ser integrado na sociedade é completamente diferente de uma pessoas que depende totalmente de outrém. Embora tb esta, tenha, indiscutivelmente, um lugar nesta nossa sociedade ou pelo menos deveria ter.
Foi um gesto bonito da Drª Maria Cavaco Silva, espero que também se possam colher frutos!
Marcelina